5 de nov de 2010

O Filho Da Guerra...

Certa vez, uma guerra que acabara de terminar, onde milhares de filhos, retornam aos seus lares ( e outra dezenas de milhares, não voltaram...), emocionados, traumatizados com a experiência traumática por eles vivida, Regressam regozijados a seus respectivos lares, e, um desses milhares de jovens, faz o primeiro contato com seus pais...

Alô, Mãe, sou eu...

A Guerra acabou, estou voltando para casa, so queria saber se posso voltar com um amigo... Ele está ferido, teve a perna amputada por um ferimento na guerra...

Eu posso acomoda-lo em nossa casa?

Doravante, vem a surpresa geral: a Mãe surpreendida pela noticia dada, indaga ao marido pela sua opinião, tendo em vista ter de acolher um deficiente da guerra...

A resposta dos pais, foi categorica...

Filho, em nossa casa, não ha como receber seu amigo, ele está amputado e não temos como permitir que ele more conosco.

O Filho da guerra silenciosamente, despede-se dos pais... e desliga o telefone.

Dias mais tarde, encontraram o mesmo rapaz, ele suicidou-se na mesma noite em que conversara com seus pais sobre o retorno do pseudo amigo.

Seus pais, diante do corpo, percebem que o amputado citado pelo filho... era ele mesmo!!

Não consigo mensurar, a intensidade da dor daqueles pais. Perderam seu filho, por uma decisão egocentrica, mesquinha, desrregada de qualquer sentimento de compaixão pelo próximo - E este próximo... era seu filho.

Sem comentários...








Autor Desconhecido
Versão... George Brandão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário